segunda-feira, 18 de julho de 2011

Melhore seu Desenho (sem desenhar!)

A arte é um processo.

Como o método científico e filosófico da alquimia, a arte pode ser aperfeiçoada e melhorada através de um processo. A partir da observação, da experiência, da reflexão, a arte é melhorada pelos passos que damos para mudar, não nos solidificando ou estagnando. Boa parte dos conselhos para desenho é simplesmente "prática" ou "evitar distrações". Estes conselhos são bons, mas criação é mais do que apenas entrar sem pensar em uma tarefa e evitar maus hábitos ao longo do caminho. Bons hábitos e conhecimento ajudam a tornar mais rápida a excelência do seu processo de aprendizagem, a partir daí, é só melhorar a forma de uma maneira mais rápida e eficaz.

Olhe

Para um artista, a observação é fundamental. A habilidade que desenvolvemos não é apenas ver, mas interpretar o que vemos, lembrando o que vemos gravamos a imagem em forma de arte visual. Esta é uma habilidade que, se excluirmos cegueira ou deterioração da visão, você será capaz de melhorar durante sua vida inteira. A maneira de ver do olho de um artista nunca vai embora. Ela só pode melhorar.

Ao “ver” o mundo, é importante tomar nota do que você está observando do ponto de vista criativo e técnico. Eu estou olhando para uma textura de tecido interessante para armazenar em minha mente para mais tarde? Será que esta paisagem linda tem linhas fluidas que eu poderia usar em uma história em quadrinhos? Devo observar a forma como a luz do sol atinge essas nuvens e os tons que produzem, e onde? Estas são importantes notas mentais para se tomar ao observar, do micro ao macro – tudo pode ser visto e estudado.
(A Profa. Gisela Pizzatto sempre diz: “Um bom desenhista é obrigatoriamente um bom observador!”)

Tire uma foto

É interessante? Vale a pena manter e compartilhar? Gravá-la na câmera para guardar para mais tarde, se a memória for dar conta do recado (lembre-se sempre de seguir as regras de direitos autorais e privacidade das pessoas). As fotos não têm que ser muito boas. Eu, pessoalmente sempre tirei fotos das minhas mãos para desenhar. Acho que é quase impossível de outra forma. As fotos podem ser usados para registrar o que a memória não pode, como detalhes, a cor exata... Construir uma coleção de recursos vai lhe dar alguma coisa para pesquisar quando você precisar de ajuda, ou apenas inspiração para começar quando tiver algum bloqueio artístico.

Toque

Se possível, passe a mão. Vá para a loja de tecidos. Toque tudo o que deixará você impressionado. Toque a madeira. Toque a pedra. Toque o plástico. Toque o metal afiado. Toque coisas difíceis. Toque coisas macias. Lembre-se delas. Olhe para elas. Veja seus componentes. Veja o que os torna o que são. Fisicamente lidar com as coisas, ter uma forte memória delas, quando você entende as proporções e a massa de um objeto é mais fácil de transformar seu trabalho em 3D.

Brinque

Além de tocar esse objeto, levante-o. Segure-o. Balance-o um pouco. Encontre o centro da gravidade. Saiba o que é. Do que é feito. Qual é o objetivo histórico do objeto? Saiba quem inventou e por quê. Saiba aquilo evoluiu. Saiba de onde esse estilo de arquitetura é originado, e imagine como ele pode mudar ou evoluir no futuro. Se tornará extinto? Poderia ser usado para outra coisa? Se você desmontou o objeto, o que sobrou?

Vire

Se você está observando uma paisagem ou uma imagem grande demais, tire uma foto e coloque-a de cabeça para baixo. Trabalhando fora do reconhecimento natural do cérebro, os símbolos são formas significativas que ajudam a melhorar a capacidade de desenhar. Quando mudamos o que estamos olhando do reconhecível para o irreconhecível, deixamos de ver símbolos (olho, nariz, cabelo,) e somos capazes de ver o resumo. Nós simplesmente vemos a luz, forma e cor. Estes elementos são muito mais fáceis de reproduzir com precisão, sem a interferência de nossas mentes nos dizendo: "Não, não, um nariz deve ficar ASSIM!"

Limpe

Pegue os materiais de sua arte. Limpe-os. Limpe a sua área de trabalho. Esvazie o lixo, coloque a louça longe. Retire o papel de rascunho utilizado, limpe a mesa.Use uma escova ou ar de pulverização para tirar a sujeira do seu teclado. Limpe o seu mouse. A parte inferior também. Limpe a sua tablet e a caneta. Lave bem seus pincéis.

Limpe a sua paleta. Aponte seu lápis. Limpe a borracha e suas ferramentas de mistura. Mude a ponta da caneta e limpe o que foi utilizado. Organize seus markers. Tome nota de todas as cores que acabaram ou desaparecidas. Reabasteça seus suprimentos de papel, o material barato e as coisas caras.

Mantenha o seu espaço de trabalho limpo e você vai sentir um nível de stress menor. Você vai sentir o seu trabalho mais eficiente e prático, com um pouco de cuidado e arrumação.

Compare

Tome de duas ou mais imagens como referência ou inspiração. Coloque-as próximos umas das outras. Observe. O que você gosta de cada uma? O que você não gosta? Como é o uso do espaço em cada uma? Elas estão usando a mesma perspectiva? Uma destacou-se em sua mente? Em caso afirmativo, por quê? Será que a outra tem menos méritos que a primeira?

Tenha na mente que não há nenhuma referência perfeita ou inspiração perfeita. Alguns correspondem ao que você imagina para seu desenho mais do que outros, mas uma única referência não precisa ser usada para um desenho. Várias imagens de vários ângulos e iluminação dão mais informação visual, e você voltará a expandir sua base de dados artísticos. Observando mais do que precisa ser desenhado vai ajudar a puxar os seus desenhos para fora da página. Para adicionar vida em um desenho, observe e relate ... vida!
Além disso, faça uma anotação mental enquanto compara os dados artísticas: cada imagem é semelhante? Você vê toda parte que se sobrepõem? É hora de expandir para além do que atualmente você tem agora? Crescimento não pode existir sem a experimentação e exploração. Quando você vê a repetição na arte que você ama e na arte que você produz, é hora de buscar algo novo.

Faça perguntas

Olhe para o seu trabalho passado. Olhe para o seu trabalho agora. O que você melhorou? O que você não tem melhorado? O que você tem evitado trabalhar por medo ou frustração? (A habilidade das mãos não irá se manifestar magicamente!) Pergunte por que você fez as opções de cores que você fez. O seu conhecimento melhorou desde então? Será que a obra transmitiu a emoção ou mensagem que você queria?

Seja sincero!

Pergunte a si mesmo como você mudaria uma obra que começou desde o início. Pergunte o que você gostaria de acrescentar, no caso de ter trabalhado nela um pouco mais. Coloque de cabeça para baixo e pergunte o que parece agora. Pergunte por que você sente que é uma das melhores, piores ou médias obras. Pergunte como você se sente agora, quando olha para ela. Pergunte por que você fez as escolhas que você fez. Pergunte como você é diferente da arte que o inspira. Pergunte como vocês são semelhantes.

Seja curioso, seja provocativo com sua arte. Provoque uma resposta dentro de si mesmo para as perguntas de observação.

Desenhe em um ambiente diferente

Se possível, arrume suas coisas e mude para outro lugar para desenhar. Vá para fora na luz natural. Mude de lâmpadas incandescentes para as halogêneas, ou de halogênio para lâmpadas incandescentes. Se você é capaz de mudar sua fonte de luz de trabalho, mude.

Você pode notar que você tende a favorecer uma direção determinada de fonte de luz ou certos esquemas de cores em seus desenhos dependendo da sua situação atual de luz. Mude a iluminação para cima e veja o que muda. Você é a favor dos tons quentes porque você usa uma lâmpada incandescente? Você compensa a luz azul do halogênio? É a lâmpada na frente de você causando uma sombra de mão pesada? E você moveu para trás, ou girou a sua mesa em direção a uma janela? Desenho fora também pode ajudar com observação sob luz natural. E um pouco de ar fresco nunca faz mal.

Sacuda

Você já rodou e virou sua referência para observá-la, agora vire seu desenho. Isto pode ser usado para a melhorar a técnica criativa. Não é apenas necessário para a reprodução realista precisa. Invertendo-o, você adiciona um elemento para a composição? Está adequado o enquadramento? É essa a direção de iluminação que você realmente quer?
Arte nunca precisa ser estagnada como um processo. Pode ser uma ferramenta dinâmica de aprendizagem para a sua memória e os sentidos. E você pode aplicar isso ao processo de desenho também. Você pode aplicar todos os seus sentidos e conhecimento para desenho, não apenas determinação e prática.

Deixe para outro dia

Se você ficar muito frustrado, deixe o trabalho pra lá. Descanse os olhos. Faça outra coisa. Depois de ter observado, fazer perguntas, virado para verificar erros nos símbolo, e esgotado o processo de aplicação, observação e crítica, deixe-o. Não deixe sua mente se debruçar sobre coisas que irão frustrá-lo. Determinação é admirável, mas a exaustão é improdutiva. Não procrastinar sobre as coisas que você acha difícil, mas permitir-se trabalhar para o ponto que você não pode continuar a melhorar, então parar, descansar e voltar. Você pode ter uma nova perspectiva ou encontrar um novo método no tempo entre o desenho e a criação. Durante o seu tempo de descanso, você pode querer tentar encontrar algumas respostas.

Peça ajuda

Uma vez que você faz essas perguntas a si mesmo sobre seu próprio trabalho e seu próprio processo pessoal, convide à observação e opinião outras pessoas dispostas a dar críticas. Esta etapa pode ser assustadora e incerta, porque você não tem controle sobre o comentarios que você receberá. Tudo o que você pode fazer é tentar ter a sua arte vista por aqueles que estão dispostos e são capazes de fornecer comentários eficazes. Amigos e fãs podem não ser a melhor fonte para a melhoria, mas também não serão aqueles que escolhem a zombaria. Não dê muita atenção à críticas muito suaves e pouco significativas, e também não leve muito em consideração críticas desnecessariamente rudes: o foco deve ser em idéia e sugestões em que você não tenha pensado anteriormente. Aceite comentários e críticas, mas saiba que eles são apenas as opiniões dos outros. O que você cria é um processo seu, sozinho.

Meça

Pegue uma régua. Meça um pedaço de sua referência. Observe o tamanho da imagem de referência. Ajuste a medida para a escala do seu desenho. Agora meça o mesmo pedaço de seu desenho. Será que eles combinam? O braço é do mesmo comprimento que a sua referência? Aquelas árvores estão na mesma distância?
Se você está exagerando ou estilizando, o seu personagem está proporcional de todos os ângulos?

Corte

Se for um trabalho digital, basta usar a ferramenta feita pra isso mesmo crop.
Pegue alguns pedaços de papel preto ou branco. Sistematicamente cubra partes de seu desenho. Encontre uma composição dentro da composição. Apenas o olho? Talvez uma matriz abstrata de cores. Talvez uma forma mais dinâmica para mostrar o personagem sem muito espaço vazio. Adicione mais detalhes enquanto a imagem é cortada. Ou não adicione detalhes, olhe para vários cortes diferentes dentro da imagem. Isso faz parte do processo de VER, e ajuda o cérebro a remover a desordem e apenas se concentrar no que é necessário. Você pode achar que precisa de informações muito menos visuais em uma imagem que você está transmitindo.

Faça um jornal

Por último, mas não menos importante, grave seu processo, não apenas o produto acabado. Registre aquelas perguntas que você tem, os sentimentos e intuições, as poucas dicas que você aprendeu, os comentários dos outros e as pequenas coisas que você quer se lembrar. A arte é um processo, não apenas um produto, e o processo pode ser tão gratificante como qualquer coisa que é produzida. Seu jornal não precisa ser público, ele só precisa ajudar a lembrá-lo de onde você partiu e o que conseguiu.

Texto
original: Link (em inglês), por Kxhara - Livre tradução: Ânima Academia de Arte
Você pode copiar e usar, mas lembre-se de dar os créditos para o autor e tradução.

2 comentários:

Emerson disse...

"A Arte é um Processo, não apenas um Produto" ... essa frase explica muita coisa, hein?

É isso aí, galera, vamos acrescentar mais cultura à nossa arte, o desenvolvimento como ser humano influencia diretamente no crescimento como artista!

[]´s
Merso

Cesão disse...

Muito bom o texto!
Eu e um amigo, percebemos que quando aprendemos um instrumento musical, ou trabalhamos com escultura por exemplo, por "cinergia" o desenho melhora!
Não tem muito a ver com o tema de "aprender sem desenhar", mas gostaria de compartilhar esses conhecimentos também:
Acho importante no aprendizado, sempre desenhar algo que nunca tenha feito antes, a mente costuma sempre ir para o mais confortável e evitar o novo, muitas vezes estamos apenas fazendo releituras de nós mesmos. Tentar mudar o estilo também sempre ajuda!
E meu exercício preferido, é desenhar "sem pensar", sair rabiscando como uma criança e ver o que sai, sempre me surpreendo com as minhas próprias doideras e sempre sai algo que valha a pena ser melhor trabalhado mais tarde, sempre surge o novo de um desenho "espontâneo".