segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Palestra: A Ciência da Cor


Neste último sábado, 24/11, a professora do Instituto de Física da Unicamp e aluna da Ânima, Maria José Brasil deu uma palestra aqui na escola sobre cor.
 

 A palestra durou 1h30 e foi feita baseada em um curso que a professora deu na Unicamp, no Instituto de Física, de acordo com uma pesquisa própria sobre o tema. Para a palestra na Ânima, Maria adaptou o conteúdo para que pudesse ser entendido por artistas e não estudantes de Física.


 A parte biológica també entrou na dança, afinal, é preciso primeiro entender como funciona o ato de "VER" para então podermos entender comop o nosso cérebro processa a cor.


 A palestra foi exclusiva para alunos da Ânima.


 Alguns experimentos foram feitos para que todos pudessem entender como o tipo de iluminação influência no que vemos...


Consegue ver a diferença?





 Experimentos práticos envolvendo luzes de diferentes cores também foram apresentados.



A Ânima aproveita a oportunidade para agradecer a professora e aos participantes.
Estamos sempre oferecendo palestras, workshops e oportunidades para que os alunos conheçam melhor o universo da Arte, por isso se você perdeu essa chance, fique de olho e aproveite a próxima!

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Significado das Cores - LARANJA


 

 Iniciamos hoje no blog uma série de artigos voltados para o significado das cores. Os textos são baseados em livre tradução dos artigos encontrados originalmente no site www.colormatters.com - Visite o site e descubra mais sobre as cores!

A cor desempenha um papel extremamente importante no mundo em que vivemos. Ela pode influenciar o pensamento, as ações e reações. Pode irritar ou aliviar seus olhos, elevar a pressão arterial ou suprimir o apetite. Quando usada da maneira correta, a cor pode até economizar no consumo de energia.

Como uma poderosa forma de comunicação, a cor é insubstituível. Vermelho significa "parar" e verde significa "ir": semáforos enviam essa mensagem universal. Da mesma forma, as cores usadas para um produto, site, obra de arte, cartão de visita, ou logotipo podem causar reações poderosas. Como veremos nesta série de artigos, é tudo questão de cor!


LARANJA

"Laranja é o Amarelo trazendo o Vermelho para mais perto da humanidade." Wassily Kandinsky

Esta é uma cor vibrante. É quente, frutada, saudável e atraente - mas pode ser abrasiva e grosseira. É uma cor de polarização. As pessoas normalmente amam ou detestam o Laranja.

Seu nome foi tirado de um objeto, da talvez mais popular das frutas - a laranja. Na natureza, é a cor do pôr do sol, do fogo, de legumes, flores, peixes e de muitas frutas cítricas. No nosso mundo contemporâneo, o laranja é a cor de cones de trânsito, do Halloween, de botes salva-vidas.

Laranja simboliza energia, vitalidade, alegria, emoção, aventura, calor e boa saúde. No entanto, Laranja puro pode significar latão, pode sugerir uma falta de valores intelectuais e de mau gosto.

Laranja é uma cor que entra e sai da moda. Foi uma cor "groovy" nos anos 70 e depois desapareceu. Em 1991, um artigo na revista Forbes sobre como o Laranja afeta as escolhas dos consumidores concluiu que o Laranja significa barato, no sentido de uma boa compra.

É importante notar que existem muitos tons de laranja - e que remetem portanto a significados diferentes. Alguns podem ser mais atraentes para aqueles que acham difícil gostar desta cor: terracota ou caiena - um Laranja escuro, cáqui - um vermelho alaranjado, puxando para o abóbora - um laranja puro, meio manga - um amarelo alaranjado, salmão - um tom mais rosado - um laranja bem claro.
 

Laranjas mais escuros oferecem uma sensação de conforto, enquanto alguns são picantes, outros são mais terrosos. Laranjas mais leves são suaves e dão uma idéia de coisas saudáveis.

 Significados globais do laranjaO laranja evoca o sabor de frutas saudáveis, cheias de suco, pois é associado à vitamina C e à boa saúde.
O laranja é a cor do outono, dos botes salva-vidas, dos cones de perigo.

Significados únicos do laranja em diferentes culturas

-
Laranja é o nome e a cor emblemática da família real britânica.
- é a cor dos uniformes de prisão nos EUA.
- O laranja na sua versão mais amarelada, como o açafrão, é uma cor sagrada e auspiciosa no hinduísmo.
- O semáforo do meio é laranja na França.
- No Reino Unido, laranja representa os protestantes da Irlanda do Norte e tem forte significado religioso e político.

Laranja na Arte e no Design

O laranja é um excelente exemplo desta regra do design: Não há cores ruins, apenas combinações de cores ruins.

- laranja-azul: fazendo um esquema de cores complementares, esta combinação dá a idéia de algo dinâmico.
- Laranja-Verde-Roxo: esquema de cores tríade é excepcional e sempre agrada.




segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Uma questão de ESTILO


Uma das maiores dúvidas dos estudantes de Arte é como desenvolver seu próprio estilo.
Bom, o estilo vem com o tempo, com o estudo e, obviamente, com a prática.
Mas isso não significa que não há certas dicas que você pode seguir para ajudar a criar seu próprio estilo.
Todo mundo tem seu mundinho próprio: coisas pessoais que vão desde o modo como você se veste até como você brinca com as pessoas. Mas, então, o que você gosta de desenhar mais? As respostas mais comuns provavelmente são: pessoas, anime, lobos, dragões, fanarte...
Você deve estar se perguntando: "Por que você está desperdiçando meu tempo com algo que não tem nada a ver com estilos?" Bem, olha só... é uma introdução sentimental. :)
Antes mesmo de pensar em desenhar um lápis e fazê-lo parecer uma pessoa porque é o seu "estilo", você deve considerar a questão "O que é estilo?"
Então vamos tornar a coisa mais direta: estilo é a maneira que você faz as coisas. Mas isso não significa que ela é a sua desculpa para desenhar as coisas mal. O estilo da sua arte é VOCÊ. O estilo é a forma como as pessoas reconhecem você e o seu trabalho.
Um jeito fácil de entender esse ponto de vista é escolher dois artistas dos quais você goste muito e tantar determinar diferenças entre os trabalhos deles.
Agora que deu pra ter uma idéia do que é o Estilo, fica mais fácil desenvolver um que seja só seu (ou quase).
Ilustração de Moda de Dau Shin

Então vamos ao momento tão esperado: AS DICAS!

- pensando em definir um estilo bacana que dê pra reconhecer logo de cara, você tem que colocar algum esforço e dedicação no seu trabalho. Qual é... Não vai dizer que você ia simplesmente desejar um estilo para uma estrela cadente e tudo ia se realizar?
- saiba mais sobre a sua personalidade e seus gostos artísticos. Você gosta de arte calma? Você gosta de coisas tão loucas que os olhos das pessoas vão derreter? Você gosta de coisas mais para o lado Cartoon? Anime? Ou talvez você goste mesmo de realismo?
- Prátique e continuar a desenhar. Muito. Quanto mais você desenhar, mais fácil será para desenhar as coisas. Parece óbvio, mas é uma regra de ouro que a maioria dos estudantes ignora. Quando estiver nesse ponto, você vai começar a desenhar as coisas mais a seu gosto.
- Por favor, não copie COMPLETAMENTE o estilo de outro artista. Você pode ser INFLUENCIADO por ele, mas não absorva o estilo. Roubar seu estilo é como roubar sua identidade e dignidade. Você é um indivíduo e foi criado assim por uma razão: aproveite as suas qualidades.
- Se as pessoas fizerem uma crítica construtiva sobre seu trabalho, por favor não tome isso como algo pessoal. Críticas construtivas são aquelas quando há realmente um feedback, uma explicação do que as peesoas vêem no seu trabalho. Esse tipo de pessoas quer ajudar você a melhorar e fazer o seu estilo de se transformar em algo que os outros gostariam.
- Por fim, mas não menos importante: diverta-se. Faça experciências com cores, mude partes do desenho, faça as coisas de cabeça para baixo, use linhas curvas, formas geométricas,etc. Tem um monte coisas que você pode mudar em um trablaho para torná-lo mais pessoal.

Arte de Gabriel Moreno

E lembre-se: essas coisas tomam tempo. Não tenha pressa.
Agora vá já para a prancheta praticar! :)

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Quadrinhos: Nona Arte



Eu adoro ler. E leio de tudo. E muita gente me encontra lendo quadrinhos. Aposto que a maioria pensa “Esses artistas são todos vagabundos, mesmo!” Isso porque a maioria das pessoas não sabe realmente o valor que uma boa história em quadrinhos tem. E olhe que daqui pra frente não vou me referir à qualidade narrativa e textual, méritos de muitas HQs por aí. Vou falar só das ilustrações.
Quadrinho é arte sim! E é irritante a mania das pessoas em dizer que isso é coisa de criança, de adolescente. Mania, não, corrijo: preconceito puro e simples! Fazer quadrinhos não é só colocar desenhos em quadros e enfiar uns balões para o diálogo. A arte dos quadrinhos é bem mais que isso, pois exige refino de traço e de construção de personagem. Exige maestria em arte-final. Exige estilo.

  "AsiloArkham", arte de Dave McKeen

Para comprovar o que eu digo o leitor pode remeter-se ao clássico dos quadrinhos. Sim, refiro-me a ele, o imbatível morcego. Batman é um herói que tem em suas histórias algumas das melhores artes já vistas. Para citar apenas alguns poucos exemplos da arte que acompanha o cavaleiro das trevas você pode ler Gritos na Noite, publicado em dois volumes pela Editora Abril em 1990. É um clássico. A arte manchada de Scott Hampton é maravilhosa e denota técnica e sentimento. Nos quadrinhos em que não há palavras, a imagem fala por si só. Não é qualquer um que consegue isso.
Em Asilo Arkham, publicado pela mesma Abril no mesmo ano que Gritos na Noite, as ilustrações de Dave McKean são pura criatividade e técnica, misturando estilos, adicionando colagens ao trabalho com o pincel e dando um clima realmente sombrio, e por que não dizer, maléfico, à história. Ainda falando de Batman não poderia deixar de citar Guerra contra o Crime, publicado também pela Abril em 2000. A arte é estupenda, irrepreensível. E o homem responsável pela ilustração tem um nome reconhecido em todo o mundo, conhecido por sua malícia com o pincel, aclamado em sua destreza pra criar cenas e desenhos. Alex Ross não é apenas um homem, ele é o deus dos quadrinhos. Para muitos, ninguém jamais conseguiu superá-lo e poucos puderam alcançá-lo.

 "Drácula", arte de J.J. Muth

É difícil de imaginar uma história em quadrinhos pintada em aquarela, não é mesmo? Para quem está inserido no universo das HQ não é. Drácula: uma sinfonia de pesadelos aos luar é uma graphic novel toda ilustrada em aquarela. A impressão é ótima e pode-se ver a textura do papel através das manchas de Jon J. Muth. Na minha opinião, um dos trabalhos mais lindos que já vi em HQs. Foi publicada pela Abril em 1989, então pode ser bem difícil de achar, e talvez cara. Mas se você encontrar, compre. Vai ver que vale a pena.

 "Sandman", arte de Yoshitaka Amano

Poderia ainda citar o fabuloso italiano Milo Manara, que faz seus leitores delirarem com seu traço erótico, sensual e leve. Os livros e HQs de Sandman, de Neil Gaiman, menção especial para Os Caçadores de Sonhos, com ilustrações belíssimas do japonês Yoshitara Amano (Conrad, 2003), um dos meus favoritos. Outro italiano digno de crédito é Paolo Serpieri, que faz uma arte riscada e definida, bela, exótica e sensual. Eu poderia ainda citar os recém re-editados Livros da Magia (Ilustrações de John Bolton – Ópera Gráphica, 2002) e Orquídea Negra (Ilustrações de Dave McKean - Ópera Graphica, 2002), o clássico e eletrizante Às Inimigo (editado pela Abril em 1990 – compre, compre, compre! É uma obra de arte!) e ainda Tanque and Lash (Via Lettera, 2000), com os desenhos inovadores e levíssimos. E isto seria apenas o começo.

"Vagabond", de Takehiko Inoue

Nos últimos tempos as bancas brasileiras têm conhecido a invasão dos mangás, o comics japonês. Há pouca coisa colorida no mangá, mas os desenhistas da área não economizam no bico de pena, com espetáculos visuais como Vagabond que a Conrad editou há muitos anos. Fazem páginas maravilhosas em nanquim, usando traços leves e delicados, como XXXHolic, editado pela JBC, ou qualquer outro trabalho do estúdio CLAMP. Quando há páginas coloridas nos mangás, esteja certo de que houve uso de tinta e muita malícia na técnica. O resultado? Um belíssimo colorido de tons suaves que se misturam aos contornos definidos do desenho, criando algo único. Se você quer realmente avaliar a capacidade dos japoneses com um bico de pena, tente GON (Conrad, 2003) de Masashi Tanaka. Além de um mestre na arte do nanquim Tanaka faz uma história sem texto e dá uma aula de narrativa seqüencial.
Estes poucos exemplos podem parecer distantes para quem não está inserido no mundo dos quadrinhos, mas são peças verdadeiras de uma arte plástica nem sempre reconhecida com o devido crédito. Assim, quando der uma passadinha na banca ou em alguma loja especializada, dê uma olhada. É verdade que nem tudo é bom e que há muita porcaria no mercado. Mas você pode se surpreender folheando uma HQ.

 "XXXHolic", do Studio CLAMP


Texto: Gisela Pizzatto