quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Arte Que Te Quero Nova


Depois de tanta discussão e polêmica sobre os novos rumos da Arte, dos artistas, das vanguardas do que é e do que não é Arte, acho que vale a pena destacar as coisas legais que surgiram nos últimos tempos, as coisas novas e que vieram pra encantar e não para polemizar, discutir ou causar estranheza.

Atualmente, talvez em oposição a tantos trabalhos e artistas abstratos, a arte figurativa vem ganhando força, especialmente os trabalhos ultra realistas. Neste post quero levar você por um passeio a artistas novos e diferentes, com trabalhos inusitados (ou até que não muito) e que enchem os olhos.

Sem a internet, talvez nada disso fosse possível. A internet nos permite acessar dados muito distantes, como se estivessem aqui ao lado e esse tipo de acesso à informação faz todo mundo feliz: artistas (que podem divulgar melhor seus trabalhos) e observadores (que podem achar coisas mais a seu gosto).

Seguindo na linha hiper realista, é preciso falar de Alyssa Monks: http://alyssamonks.com/A artista americana trabalha com óleo sobre tela, e sua especialidade são pinturas "molhadas". Quer dizer, ela retrata muitíssimo bem gente dentro d'água e cenas de vapor. A delicadeza e sensibilidade de motivos e de execução do trabalho de Alyssa é sem parâmetros. Ela consegue combinar as duas coisas com graça e muita muita beleza. O resultado? Veja você mesmo!












































Seguindo um conceito parecido vai a artista Zaria Forman http://www.zariaforman.com, também americana, esta artista trabalha o realismo em paisagens usando giz pastel. O resultado por si só é impressionante, mas vale a pena notar a leveza e ao mesmo tempo a precisão do trabalho da artista.





































 
Ainda na água está o trabalho de Sarah Harvey www.sarahharvey.co.uk .  A artista britânica trabalha com tinta óleo e cria pinturas em que a água é personagem principal como veículo, mas a plasticidade fica por conta do movimento e do corpo humano.













































  
Emanuele Dascanio é outro hiper realista. O artista de Milão faz não só retratos com grafite e carvão, como também faz naturezas mortas lindíssimas usando óleo. Uvas, melancia, conchas, nada escapa da beleza e da precisão do italiano.















































Mudando um pouquinho, vamos encontrar o trabalho de Gabriel Moreno http://gabrielmoreno.com/. Este espanhol não só trabalha com muitas linhas como também sabe adicionar a quantidade e o tom certo de cores em seus trabalhos. Muito mais um ilustrador do que um artista plástico em si, nada impede de classificarmos a obra de Gabriel Moreno como maravilhosa e atual. E no mais, quem liga para os rótulos? 



















Já não tão realista, mas também ilustrador, também espanhol e também fantasticamente leve está o trabalho de Conrad Roset http://www.conradroset.com/. Conrad é famoso por suas "musas", uma série de trabalhos que usa linha e cor de maneira magistral, única e muito inspiradora. Os trabalhos desse artista podem ainda ser classificados de provocantes e sexy.
























Estes são apenas alguns dos novo talentos pelo mundo afora, que estão aí, mostrando a cara e fazendo bonito. Ainda tem muito muito mais pra gente pesquisar, descobrir e ver!
E isso é que é bom, essa variedade, essa mudança, o fim de ciclos e o início de outros. Porque a Arte também se move, também está viva e se ela imita a vida ou a vida é que a imita, é discussão pra outra hora! Vamos mais é aproveitar o que ela tem para nos oferecer.

Professora Gisela Pizzatto

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Grandes Artistas: José Luiz Benício

Boa tarde, amantes da arte! Hoje falarei um pouco sobre um ilustrador/desenhista que admiro muito e, infelizmente, nem todos se lembram dele, embora suas imagens estejam no subconsciente dos brasileiros (principalmente os com mais de 30 anos): nosso querido José Luiz Benício, ou apenas Benício, forma como assina suas obras. Também conhecido como O Mestre das Pin-Ups Brasileiro.


Benício em ação. Fonte: http://nerdmetal.blogspot.com.br/2013/09/benicio-o-mestre-da-ilustracao-em.html

O mestre nasceu em 1936 e, em mais de 50 anos de carreira, criou mais de mil capas de livretos de bolso, mas de 300 cartazes do cinema nacional e centenas de capas de discos, anúncios de publicidade e ilustrações para livros e revistas. E foi por pouco que não se tornou pianista!

Pessoalmente, sempre fui muito fã de sua arte. A primeira ilustração que vi de Benício foi o cartaz do filme "Os Saltimbancos Trapalhões". Acho que foi a primeira ou segunda vez que fui ao cinema, tinha uns 5 anos e, numa época que os cinemas ficavam espalhados pelo centro da cidade, e não nos shoppings, cheguei com minha família no saudoso Cine Windsor em frente ao Fórum de Campinas (havíamos acabado de nos mudar à cidade), com aquele cheiro de pipoca feita em panela velha do tiozinho na entrada, vimos o filme. Na saída parei para observar o cartaz e ver se reconhecia os atores e as cenas... fiquei vários minutos admirando aquela pintura, rebuscada, com estudo de sombras, movimentos quase renascentistas, cores vivas como aquelas dos brinquedos de parques de diversões itinerantes e muita expressividade. Aquilo me cativou de tal maneira que, nos filmes dos Trapalhões, sempre me preocupava em ver o cartaz primeiro para me ater à arte. Mas nessa época eu não era muito ligado em nomes de artistas. Conhecia apenas Walt Disney, Maurício de Souza e os mestres do Renascimento.






















Fonte: http://freakshowbusiness.com/2010/07/13/portfolio-jose-luiz-benicio/jose-luiz-benicio-os-saltimbancos-trapalhoes/

Passou algum tempo para que eu começasse a virar fã de artistas por nome. Com 10 anos passei a identificar meus desenhistas de quadrinhos favoritos (John Buscema, Barry Windsor-Smith, Mort Walker, Mozart Couto), e daí veio o interesse em conhecer o nome dos ilustradores que admirava: Norman Rockwell, Drew Struzan, Derek Riggs, J. Alberto Torquato... e Benício, claro!

(Aproveito essa pausa para incentivar os leitores a procurarem imagens desses outros artistas que citei. Quando era criança tinha que caçar em bibliotecas e livrarias!)

José Luiz Benício - O profeta da fome
Fonte: http://freakshowbusiness.com/2010/07/13/portfolio-jose-luiz-benicio/jose-luiz-benicio-o-profeta-da-fome/

Vibrava quando via alguma ilustração do Benício em revistas dos anos 80 como Veja, Somtrês, IstoÉ, com sua pintura em guache inspiradíssima ele mostrava que era possível ilustrar e valorizar uma matéria. Nem sempre a fotografia resolvia tudo na direção de arte.

Ainda nos anos 1970, uma de suas obras mais cultuadas foi o cartaz do filme "Dona Flor e seus Dois Maridos:

Fonte: http://pipocaenanquim.com.br/wp-content/uploads/2011/01/jose-luiz-benicio-dona-flor-e-seus-dois-maridos.jpg

Nos anos 1990, Benício não diminuiu seu ritmo, porém com a chegada das mídias digitais e softwares de edição gráfica, muitos trabalhos de cartazes para cinema e publicidade foram designados a outros artistas que faziam mais rápido e cobravam menos. Me lembro que há uns 8 anos Jô Soares foi entrevistar o mestre e, no princípio da entrevista, parecia desconhecer seu trabalho, e depois foi identificando aos poucos... não sei se o Jô está caducando, porque ele sempre me pareceu uma pessoa muito ligada em arte e cultura.


Fonte: http://pipocaenanquim.com.br/wp-content/uploads/2011/01/publi03.jpg

Uma retomada do nome Benício na ilustração moderna veio com os livros homenageando seu trabalho e a revista virtual Ilustrar Magazine ( http://www.ilustrarmagazine.com/ ), que sempre inclui trabalhos do Mestre em suas edições, sejam ilustrações temáticas, entrevistas e até passo-a-passo de algumas obras.

Livros:  Benício - Um Perfil do Mestre das Pin-Ups e Cartazes de Cinema, de Gonçalo Junior, Editora CLUQ

Fonte: http://www.historiadocinemabrasileiro.com.br/wp-content/uploads/2011/03/LIVRO-Benicio-um-perfil-do-mestre-das-pin-ups-e-dos-cartazes-de-cinema.jpg

E Benício Criou a Mulher..., de Gonçalo Junior, Ed. Opera Graphica

Fonte: http://2.bp.blogspot.com/-y9SSV_HQm_g/UNDQEKX35TI/AAAAAAAABt4/YikBIbDfflI/s1600/Capa%2BBenicio.jpg

Sex & Crime - The Book Cover Art of Benicio, Editora Reference Press (Esta coletânea de capas maravilhosas para livros de bolso terá um segundo volume, totalmente financiado coletivamente no site Catarse, com lançamento previsto para Fevereiro: http://catarse.me/pt/benicio2)

Fonte: http://referencepress.blogspot.com.br/2010/11/livro-sex-crime-book-cover-art-of.html

Uma boa indicação também é o documentário "Benício - O Mestre das Pin-Ups" (a parte um você assiste aqui: http://www.youtube.com/watch?v=SrcTZN0POMc )


Essa ilustração para uma matéria com o músico Arrigo Barnabé estava presente na exposição "Ilustrando Em Revista". Uma das minhas favoritas!

Fonte: http://pipocaenanquim.com.br/wp-content/uploads/2011/01/Editor10.jpg

Aproveito para sugerir também o ótimo texto do amigo Daniel Lopes sobre o mestre no link abaixo da foto:


Fonte: http://pipocaenanquim.com.br/grandes-ilustradores/benicio-%E2%80%93-o-mestre-das-pin-ups/

Site do artista (notem sua versatilidade na parte de Publicidade e de Arquitetura!): http://www.benicioilustrador.com.br/

Matéria feita pelo Professor Emerson Penerari

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Conhecendo Materiais: Lápis Grafite


Fonte: http://www.vat19.com/dvds/woodless-graphite-pencils.cfm

Desenhar a lápis é uma das mais acessíveis formas de expressão artística. Em poucos momentos pode-se traçar em um papel uma esboço visual, passar um olhar, uma ideia, impressão ou captar uma atmosfera. É o coração do trabalho de um artista.

História

Os lápis geralmente são feitos de grafite, a forma natural do carbono, criado, como o carvão, pela pressão da terra nas florestas pré-históricas.

O grafite sólido foi descoberto em Cumbria, na Inglaterra, por volta de 1500 AD e seu uso no início era como molde para canhões. As fábricas de lápis passaram a usar o grafite apenas depois de 1600 AD.


Fonte:  http://powerlisting.wikia.com/wiki/Graphite_Manipulation

O Lápis Hoje


Fonte: https://www.drawing-tutorials-online.com/members/login.cfm?hpage=Step_Two%20-%20Pencils.cfm

Atualmente temos alguns modelos principais de lápis. O padrão é o hexagonal de 7 polegadas (17,5 cm) e o grafite com 2 mm de diâmetro. Versões do bastão arredondado ou com grafites de 4mm de diâmetro também são comuns.

Para apontar o lápis, o indicado são estiletes, pois apontadores são eficientes no início, mas suas lâminas perdem o fio com muita facilidade.


Fonte: http://dearlissy.blogspot.com.br/2011/05/sharpening-pencil-with-knife.html

A mídia de suporte para se trabalhar com lápis geralmente é papel, mas alguns artistas exploram possibilidades com madeira ou tela.

Um dos motivos da popularidade do lápis é sua facilidade em ser apagado. As borrachas mais comuns são feitas de plástico ou vinil. Borrachas maleáveis são práticas para clareamento de traços leves.

Fonte: http://thevirtualinstructor.com/blog/different-types-of-erasers

Os Tipos de Grafite

Os grafites são classificados em H, F e B. Os lápis da linha H (Hard) são usados para traços firmes, fluentes, lineares, hachuras, e volumes. São grafites mais duros. Os lápis B (Bold) são mais macios, e indicados para esboços leves, sombreados e finalizações com linhas aveludadas. O lápis F (Fine Point) é muito parecido com o lápis HB, que mescla característica dos lápis mais duros com os mais macios. Quanto maior o número na classificação do lápis, maior sua rigidez ou maciez (2H, 3H, 6H, 4B, 6B, 9B...)

As lapiseiras também possuem grafites variados para escolha do artista, tanto nos diâmetros (0.1, 0.3, 0.5, 0.7, 0.9, 1.6, 12mm...) quanto na caracterização do traço (H e B).


Fonte: https://www.pencils.com/blog/hb-graphite-grading-scale/

Trabalhando as Tonalidades

Existem diversas formas para criar tonalidades em um desenho feito à lápis. Os três mais comuns são: hachuras (lineares ou cruzadas), sombreado e sombra com borrão (usando esfuminho, que é um rolinho de papel prensado, um pedaço de papel ou o próprio dedo). Mas pode-se fazer pontilhados e linhas, além de clareamentos feitos com borracha.

Hachuras
A4 Sketchbook Canson - Lemmy Kilmister - Motorhead by Penerari
Fonte: http://penerari.deviantart.com/art/A4-Sketchbook-Canson-Lemmy-Kilmister-Motorhead-339374615?q=gallery%3APenerari%2F861170&qo=32

Sombreado

Fonte: http://t-emanuel.deviantart.com/art/El-mariachi-179997445


Sombra com Borrão:

Fonte: http://www.caricature.com.sg/2007/12/a2-size-portrait-in-pencil.html

Experimente conhecer lápis de diferentes durezas e formas, como barras de grafite quadradas e hexagonais,

Agora que você aprendeu um pouquinho da história e do uso do lápis de grafite, que tal experimentar um pouco deste material e produzir belíssimos trabalhos? Mãos à obra!

Prof. Emerson Penerari
(com o auxilio dos livros Manual do Artista, de Ray Smith, e Fundamentos do Desenho Artístico, de Gabriel Martín Roig)






terça-feira, 14 de janeiro de 2014

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

O Artista e a Pátria



 2014 é ano de Copa. E eu queria estar na Islândia.
 
Ou qualquer outro lugar onde a Copa do Mundo de Futebol seja apenas aquilo que ela realmente é: só um campeonato mundial de futebol.
E eu já posso visualizar as pedras sendo atiradas em direção à minha ruiva testa. Mas que falta de patriotismo! Que chata! A Copa une os brasileiros em um só coração!
Ah, tem dó, né?!

 

A pátria de chuteiras é tão 1970 que até dói. Patriotismo não tem nada a ver com futebol. Ser patriota é outra coisa.
E eu sei o que é ser patriota porque eu sou uma, e não só uma vez a cada quatro anos. Eu sou daquelas que chora ao ouvir o hino nacional, porque EU sei o que ele significa. Em tempo: eu sei a letra, né?! Mas eu sou só uma artista e não sei de nada.

Ser patriota é amar o seu país com suas qualidades e mazelas, é trabalhar por e com ele, coisa que quem é patriota faz todo dia. Ser patriota é ter consciência de que o seu senso crítico, sua voz, podem, sim, mudar os rumos da nação. Ser patriota é não concordar com tudo que o governo faz, é exigir ver cumprido seus direitos e cumprir com seus deveres. É respeitar o pedestre. É catar o cocô que o seu cachorro fez na calçada do vizinho. Mas eu sou só uma artista e não sei de nada.

Fonte: http://www.radiorj.com.br/politica/copa2014_boasvindas.jpg

Sim, é claro que eu sou contra o "feriado" no dia do jogo! Pense bem e veja se é certo, se tem sentido, o PAÍS INTEIRO parar por causa de um jogo de futebol! O que eu ou você ganhamos com esse jogo? Nada, absolutamente nada. As contas vão continuar em cima da mesa pra você pagar. O jogador de futebol é que ganha (e muitíssimo bem, aliás), e ele está fazendo o trabalho dele. É a obrigação dele, e o salário dele entra se o time ganha ou perde, veja bem.  Pra gente, se a seleção ganha, tem um monte de corneta, barulho, arruaça e acidente na rua. Melhor nem sair de casa. Se eles perdem, fica todo mundo com cara de idiota, procurando um culpado pela derrota. Mas eu sou só uma artista e não sei de nada.

 
O pior de tudo é se você não quer assistir ao jogo. Problema seu, amigo, não tem uma sala de cinema que vá salvar sua tarde. Nada abre. Dá pra deitar e fazer um soninho na avenida mais movimentada da cidade. Veja bem se isso está direito. E todo mundo parte do princípio que se você é brasileiro de verdade, você vai torcer pela seleção!  Já reparou nos comerciais dessa época de Copa (principalmente os de carro e de banco)? Meu, vai me dando uma raiva que eu nem sei. Mas eu sou só uma artista e não sei de nada.

E qual a real importância disso? Dessa comoção toda por causa de uma bola e uns caras aleatórios?
Ou melhor, e o que o artista tem com isso?
O artista? O artista não tem só o papel de fazer coisas bonitas pra agradar a sociedade. Parnasianismo não combina com os tempos modernos.
O artista tem papel de denúncia, de engajamento, de tomada de posição e de defesa do seu ponto de vista. Que o digam  Émile Zola, Monet, Goya e tantos mais. Mas eu sou só uma artista e não sei de nada.

Nem vou entrar no mérito das construções de estádios e toda essa lenga-lenga. Já que vai ter Copa, tem que construir estádio, né?! Já que esse país pobre, carente de tudo (principalmente de gente sensata) fez a bobagem de querer hospedar um evento dessa magnitude, que pelo menos faça direito. E eu tenho lá (várias) dúvidas de que vão fazer direito. Mas eu sou só uma artista e não sei de nada.

Castelão, em Fortaleza, foi inaugurado dentro do prazo, em dezembro de 2012; uma exceção
 
Mas a coisa não pára aqui não, ainda tenho uma idéia cá comigo pra botar fogo nessa coisa do artista e a Copa aqui no Brasil. Você ainda vai ouvir sobre isso de novo, eu espero.
E você, hein? Em que time joga? No da grande massa, que vive de pão e circo e não reclama? Ou no time menorzinho, terceira divisão, que acha tudo isso uma palhaçada sem fim, onde uns ganham muito e a maioria (inclusive você) ganha nada? Mas eu sou só uma artista e não sei de nada.

O fato é que 2014 é ano de Copa e eu queria estar na Islândia.


Fonte: http://www.noticiasdeurucui.com.br/noticias/policia-da-islandia-mata-um-homem-pela-primeira-vez-em-sua-historia-12997.html



Professora Gisela Pizzatto