sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Aprovados no Vestibular 2014

A Ânima gostaria de parabenizar todos os seus alunos que tiveram sucesso no vestibular 2014, nas universidades Unicamp, USP, Unesp, Facamp, PUCC, Belas Artes, UFSC, entre outros!

Foto: veja.abril.com.br 

Nos orgulhamos muito de ter ajudado todos os alunos que passaram nos cursos de Arquitetura, Design, Artes Plásticas e outros com provas de aptidão artística.

Parabéns aos alunos:
  • Alex Mendes
  • Beatriz Azevedo Arouca
  • Elisa Menezes Barbosa
  • Fernanda Alves Bonon
  • Gabrielle Emanuelle Tognan
  • Júlia Veja Galvan Menezes
  • Larissa Helen Guimarães dos Santos
  • Lívia Maria Jorge da Rocha Azevedo
  • Lucas Rodrigues Silva Chagas
  • Luis Felipe Fussi
  • Maria Claudia
  • Mariana Rovigatti
  • Mariana Semeda
  • Mirian Camargo Antonicelli
  • Victor Sitta Ventura
  • Victória Sanches

Se você, nosso aluno, passou em algum vestibular e não viu seu nome aqui, perdoe-nos pela falha! É só nos avisar e logo será incluído essa lista!

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

O que é Arteterapia?

Criar abrange a habilidade em usar o cérebro para alterar, renovar, recombinar os aspectos da vida, imaginar e realizar. Implica em sentir o mundo com vitalidade e nele interagir, é também poder re-significar, o que se percebeu, viveu ou sentiu. Expressar vivências e sonhos conforme os sentidos. Assim, de acordo com Donald Winnicott “...viver criativamente constitui um estado saudável.” (1975, p.95)


A Arteterapia é o uso da arte como terapia. Consiste em propiciar meios para expressão de sentimentos através da criação de material (artístico), mas sem preocupação estética. O foco principal do trabalho está no processo criativo que cada sujeito vivencia e naquilo (o que, como) desenvolve nos encontros. Uma das funções do arteterapeuta é dar suporte/ acolhimento tanto artístico quanto terapêutico nas questões derivadas das propostas e emergentes do relacionamento entre os integrantes do grupo. Subjetividades e possibilidades individuais de expressão são valorizadas e respeitadas.

A expressão não verbal, o contato com o sensório e com o lúdico, o espontâneo, o espaço para experimentar (-se), a expressão do inconsciente, o simbólico, são apenas alguns dos muitos elementos que podem vir a promover o autoconhecimento, melhorar a saúde e a reorganização interna de cada indivíduo, enriquecer a vida e as possibilidades de relacionar-se. Neste processo somos levados a nos confrontar com diversas facetas de nosso íntimo que estão geralmente em conflito com nossas ideias e/ou comportamentos.

A Arteterapia é então uma terapia que através da estimulação da expressão e do desenvolvimento da criatividade, favorece:
  • A liberação de emoções, de conflitos internos, de imagens do inconsciente;
  • Contato com ansiedades, conteúdos reprimidos, sintomas;
  • Coordenação motora, aumento da capacidade de análise e percepção espacial, sensória e de si mesmo;
  • Um pensar mais “elástico”, menos engessado e uma maior flexibilidade para resolver conflitos;
  • Um novo olhar para as coisas;
  • Mais e melhores "saídas" no dia-a-dia;
  • O processo de autoconhecimento;
  • Encontro com o estilo e linguagem própria para expressão do “Eu”;
  • Ampliação do repertório/conhecimento artístico e cultural;
  • Desenvolvimento cognitivo, emocional e em alguns casos, físico.
“... tudo que acontece é criativo, exceto na medida em que o indivíduo é doente, ou foi prejudicado por fatores ambientais que sufocaram seus processos criativos.”  WINNICOTT, D. W. O brincar e a realidade, 1975, p. 98. Neste contexto, compreende-se que a Arteterapia possibilita o resgate do potencial criativo de cada sujeito.

Temas tratados na Arteterapia:
Existem dois momentos distintos relacionados às temáticas, por vezes estas serão direcionadas pelo arteterapeuta e podem, por exemplo, delinear os seguintes tópicos: Autoestima, expressão dos sentimentos, concentração, autocrítica,  limites, percepção corporal, integração, percepção de si e do outro, família, grupalidade, cooperação, etc. No entanto, em outros momentos, contemplar-se-ão temáticas derivadas de situações reais (relevantes) vivenciadas pelos integrantes/grupo nestes encontros. As atividades podem ser individuais ou grupais.

Professora Karen Ferri.

Arteterapia é o mais novo curso da Ânima! Gostou da matéria? Se interessou? Agende já uma aula demonstrativa! Fone: (19) 3342-2992, e-mail: atendimento@anima.art.br

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Como Montar sua Biblioteca de Arte

Grande parte dos desenhistas, ilustradores e aspirantes são ótimos observadores. Imagens de outros artistas, fotografias, edificações e a própria natureza fascina quem tem gosto pelas formas, cores, nuanças e jogos de luz e sombra. Baseado nesse conceito, compreendi que artistas admiram outros artistas. E, com a facilidade de encontrar boa arte na internet, alguns jovens acabam se esquecendo da importância de se visitar Museus e mesmo de ler bons livros sobre o assunto.

Há trinta ou quarenta anos no passado, era bem mais difícil encontrar livros de arte em português. Algumas coleções de livrarias ou mesmo de bancas de revistas enchiam nossos olhos, porém o custo ainda era alto. Felizmente, muitas famílias sabiam da importância de se conhecer um pouco sobre obras famosas e seus criadores. Fazia parte da cultura da época. Quando vejo alguns alunos da Ânima se interessando por artistas (sejam pintores barrocos, mangakás, astros dos quadrinhos, arquitetos e fotógrafos) a ponto de comprarem livros ilustrados, vejo que ainda existe salvação para os volumes impressos.

Por isso resolvi falar um pouco sobre isso: uma biblioteca básica de arte. Claro que uma coleção de livros demanda dinheiro para adquirir, tempo para ler e espaço para armazenar. Mas é gratificante. Muitos dos meus alunos me pedem dicas de livros para comprar e artistas para pesquisar. No ano passado até montei uma lista de referências bibliográficas para meus cursos, assim como outros professores fizeram, quem se interessar é só me pedir. Fiz uma seleção básica separada por temas interessantes para uma coleção que não ocupe muito espaço e seja essencial para quem deseja se aprofundar no mundo das artes, por prazer ou por profissão. Eis a lista:

1) Livros de Técnicas

Gostaria de lembrar que livros que tratam de técnicas de desenho não ensinam uma pessoa a desenhar da noite para o dia. São lembretes e dicas de profissionais para que os leitores aperfeiçoem seu traço, método, observação e interpretação.
Alguns bons livros de técnicas para se ter em casa:











2) Biografias de Artistas

Entender um pouco a forma que pensava determinado artista, sua visão de mundo e de sua época é essencial para compreender certos movimentos artísticos que gostamos. Que tal comprar alguns livros bibliográficos sobre seus artistas favoritos? Geralmente eles vêm recheados de imagens de suas obras mais famosas. Sugestão: Os livros da Editora Taschen:























Também podemos incluir nas biografias alguns documentários e filmes sobre artistas importantes. Separe um espaço na prateleira para estes DVDs:




3) Livros de História da Arte

Como você poderá compreender a arte sem conhecer suas origens? Como saberá que rumo a arte irá tomar sem saber como ela chegou até os dias de hoje? Na época da minha mãe, História da Arte era matéria curricular do ginásio, independente da profissão desejada. Portanto, é uma cultura indispensável!

Aqui você vai ter que gastar um pouquinho a mais. Mas vai valer à pena!



4) Livros de Referências

Aqui pode se englobar desde artbooks de seus artistas favoritos quanto clássicos dos quadrinhos, mangá, arte urbana, fotografia... algo que você possa folhear nas horas vagas e se inspirar para seus trabalhos, até mesmo reproduzir algumas imagens como treino. Poderia listar uma centena de obras, mas irei me conter:










Bom, com essas dicas acredito que vocês terão um ano inspirador. Separe uma graninha por mês, se não encontrar algumas obras, pesquise na internet por enquanto, mas informe-se! Arte é cultura e nunca é demais aprender sobre o assunto. Boa leitura!

Professor Emerson Penerari

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

5 coisas pra lembrar quando estiver desenhando

Baseado na imagem do We Design Studios, tomei a liberdade de fazer um texto para os artistas de plantão... Não é um manual, nem nada nessa vida que seja ligado à Arte pode ser muito fixo e pré-determinado, mas acho que são mesmo coisas pra gente lembrar, dicas importantes! Espero que vocês gostem.



1 - Dê uma distância do seu próprio trabalho
De verdade, quando você estiver produzindo, às vezes vale a pena não terminar tudo na mesma hora. Bom, é certo que isso a gente não controla muito, tem hora que você senta na prancheta e o desenho sai, e sai tão rápido que quando você vê passou a madrugada toda ali e nem dormiu.

Mas antes de assinar a criatura, dê um tempo, tome um café, assista um videozinho engraçado e volte a olhar o que você fez. Pode ser que você acrescente coisas, mude outras e suprima outras tantas... Você vai se surpreender o que algumas horas fazem com a sua mente.

2 - Desenhe o que você vê, não o que você conhece
Desenhar é sempre um exercício de observação. E nem sempre - quase nunca - as pessoas desenham o que elas vêem. O que acontece é que você já tem idéias pré concebidas de como é, por exemplo, uma girafa e acaba não prestando atenção aos reais detalhes do bicho.

Por isso é tão difícil fazer um auto-retrato ou desenhar alguém conhecido: você tem algum tipo de ligação com seu objeto de estudo que te impede de ver as particularidades. Por isso a observação é tão importante.

Eu sempre digo: um bom desenhista é necessariamente um bom observador!

3 - Pense na composição
Não só na hora de criar pensar na composição do trabalho é importante. Se você usar uma referência também vale a pena analisar se você pode "cortá-la" pra que fique interessante, usando só uma ou outra área.

Qual será o foco da cena? Como balancear os elementos? E as cores? Tudo isso é importante na hora de decidir como você vai passar o que vê (ou o que imaginou) pro papel.

4 - Seja paciente com você mesmo
E essa talvez seja a coisa mais importante de se lembrar ao desenhar. Durante todo o processo você também está aprendendo, não importa qual seu nível de instrução - master ou super iniciante - a gente sempre tem o que aprender. Ainda bem, né!?

Tenha paciência com seus erros, repita se necessário, mas também não se exija demais. O próximo ficará melhor. E o próximo melhor. E o seguinte melhor ainda. Com certeza!

5 - Curta o processo
Eu queria saber o porquê de tanta gente querer terminar logo um desenho! Acaba que sai tudo de qualquer jeito, você vê as possibilidades do que aquilo poderia ter sido. Desenhar é antes de tudo um MEIO: pra se expressar, pra desestressar, pra passar o tempo, pra estudar, pra desenvolver habilidades e pra algumas pessoas até um meio de ganhar dinheiro. Mas sem curtir o processo, sem se envolver, sem estar ali entregando sua alma ao que está fazendo você só vai ter uma coisa oca, vazia, sem expressão, que não representa você. Por isso, aprecie o momento da criação, do desenvolvimento, curta as etapas, aprenda devagar. Certamente você vai gostar muito mais do resultado.

Professora Gisela Pizzatto.

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Artur, o (Argh)Tista em: interpretando "Aquarela", de Toquinho e Vinícius de Moraes

O jeito peculiar do artista performático Artur entender a letra de uma bela música...