quinta-feira, 23 de outubro de 2014

A arte da Caligrafia

Hoje em dia quase mais ninguém escreve à mão, como nossos avós e bisavós faziam, usando caneta e papel. O mundo agora é virtual, ganha mais quem digita rápido onde quer que seja: no tablet, no teclado, no telefone... É o mundo moderno tecnológico.

E mesmo assim existe uma arte que continua muito viva nesse novo mundo cheio de teclas e sem papel: a Arte da Caligrafia.

Trabalho da Prof.ª Marta
Não, não estou falando da caligrafia que a gente aprende na escola, da letra bonitinha, o oposto da letra de médico. Estou falando de Caligrafia Artística, a escrita como forma de arte. Sim, ela existe! E este post vai levar você pra conhecer um pouco mais desta arte.

A Caligrafia vem da palavra grega κάλλος kallos, "beleza", e γραφή grafe, que significa "escrita". Antigamente a caligrafia era mais uma forma de expressão cotidiana do que arte expressiva, era usada em registros financeiros, políticos, lápides e na transcrição de textos leigos e religiosos. Com o passar do tempo a caligrafia foi substituída pelas fontes de máquina e depois pelo computador, até se tornar no que é hoje: um forma de arte.


O alfabeto latino apareceu em cerca de 600 aC, em Roma, e desenvolveu em três principais tipos de letra: Capitais Imperiais, que eram tipos esculpidos em pedra, Capitais Rústicos, pintados em paredes, e a Cursiva Romana, para o uso diário cotidiano. Com o passar do tempo, a escrita foi parar nos mosteiros onde eram feitas cópias da Bíblia e de outros textos religiosos; foram os mosteiros os maiores responsáveis pela preservação das tradições caligráficas durante os séculos IV e V , quando o Império Romano caiu e Europa entrou na Idade Média. Durante a Idade Média, foi desenvolvido uma cópia do Novo Testamento na Irlanda, um manuscrito belissimamente decorado, um marco e uma referência para os calígrafos: o chamado Livro de Kells. Para saber mais sobre este manuscrito, clique aqui.

Fonte: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/b/b1/KellsFol032vChristEnthroned.jpg
Durante a Idade Média toda a prática da Caligrafia ficou basicamente restrita à classe religiosa, ocorrendo uma mudança mais drástica com a chegada do Iluminismo e com a popularização das escolas e universidades. Hoje em dia é um universo familiar trabalha ou estuda Arte: desde designers e publicitários até artistas plásticos.

Trabalho da Prof.ª Marta
Atualmente a caligrafia é executada com penas de metal (finas ou quadradas)ou de bambu (normalmente quadradas) ou com pincéis chatos, tudo depende do tipo de letra que você quer usar. Ah, sim, também este é o charme da Caligrafia Artística: as fontes são muitas e por isso muitas são também as possibilidades de combinar texto e visual daquilo que se quer expressar.


Algumas fontes mais conhecidas são a Cursiva Inglesa, a Ronde Francesa e a Gótica Alemã. Cada uma com particularidades e encantos próprios e característicos.

Hoje a Caligrafia é inclusive fonte de renda para muitos calígrafos na forma de convites de casamento e eventos, design de fontes e tipografia, design originais logotipo escrito à mão, arte sacra, anúncios, design gráfico e arte caligráfica comissionados, corte inscrições em pedra e documentos memoriais.
Trabalho da Prof.ª Gisela.
Dentro da Arte, o calígrafo pode expressar uma ideia, um sentimento através não só do texto, mas do tipo de letra que decide usar e das suas decorações anexas.

Quer aprender esta arte antiga e tão precisa? A Ânima oferece o curso de Caligrafia Artística aos sábados pela manhã, então não perca tempo e se aprofunde!

Prof.ª Gisela Pizzatto

Nenhum comentário: