quinta-feira, 14 de maio de 2015

Ilustração e Literatura: Artes Interligadas


Frazetta ilustrando para a Eerie. Fonte: http://frankfrazetta.net/images/Eerie%202%20Frazetta.jpg

E aí, fãs de arte, artistas e aspirantes, tudo bem com vocês? Vocês já devem ter ouvido a frase "Nunca Julgue Um Livro Pela Capa" em algum momento da vida de vocês, não é mesmo? De fato, a arte e a escrita andam juntas desde os primórdios de suas invenções, e hoje chegamos a um momento onde é praticamente impossível desvencilhar a arte literária das imagens ilustrativas, seja apenas pela capa, seja para auxiliar o leitor a entender o que se passa.


Capa de "O Pequeno Príncipe", do autor Antoine de Saint Exupéry. Impossível não reconhecer!
Fonte:https://holtproduct.files.wordpress.com/2010/11/petit-prince.jpg

Desde os primeiros papiros egípcios, onde a escrita já era uma forma de desenho, a ilustração serviu para definir parâmetros e gerar um entendimento melhor do que seria passado. Durante o Império Romano, foram desenvolvidos os Códices, que são os livros com capa de madeira e encadernação costurada, uma forma rudimentar da encadernação usada até hoje. Nessa época, iluminuras e arabescos já eram bem comuns para ilustrar as iniciais dos textos e suas capas.


Fólio do Códice "Book Of Kells". Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/C%C3%B3dice#/media/File:KellsFol292rIncipJohn.jpg

A partir do século XV a xilogravura (gravura usando a madeira como matriz) era o principal método de ilustrar um livro, passando depois para técnicas de melhor reprodução, como água-forte (gravura em metal) e, no século XVII, a litografia (gravura em pedra). Um dos grandes ilustradores desse período foi o poeta William Blake. Mais tarde, no século XIX, Gustave Doré foi um dos ilustradores que mais se destacaram, trabalhando em mais de cem obras-primas da literatura universal, podendo-se destacar A Divina Comédia (Dante Alighieri), Dom Quixote (Miguel de Cervantes), Os Trabalhadores do Mar (Victor Hugo), Fábulas (Jean de La Fontáine) e a Bíblia.


Dante e Virgílio nos Portões do Inferno, por William Blake. Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/William_Blake#/media/File:Blake01.jpg


A mesma cena, por Gustave Doré.
Fonte: http://uploads2.wikiart.org/images/gustave-dore/the-gate-of-hell(1).jpg

Na literatura mais recente, a tecnologia tornou acessível a impressão de desenhos em diversas técnicas, facilitando o surgimento de ilustrações em aquarela, tinta a óleo, acrílica, giz pastel, aerografia, lápis de cor e arte digital, tanto para a capa quanto para as ilustrações internas. O que mudam são as tendências. O realismo e a caricatura dos séculos anteriores deram lugar às ilustrações estilizadas infantis, ao cubismo, à Op Art, à Arte Fantástica, passando por colagens e fotografias alteradas.


Capa da Primeira Edição de Macunaíma -  1928.
Fonte: http://www.angelfire.com/mn/macunaima/


Capa da Edição mais Recente do Livro (2013).
Fonte: http://www.ourosobreazul.com.br/conteudo/portfolio/editorial/macunaima.jpg 

Alguns livros clássicos têm suas capas alteradas a cada nova reimpressão. Do século XX destaco as imagens de Norman Rockwell, Frank Frazetta, José Luiz Benício (ambos iniciaram suas carreiras nos Pulps, livros baratos com histórias mais descartáveis), e o designer Chip Kidd. Infelizmente essa nova onda de temas repetitivos na chamada "Literatura Juvenil" passou a gerar capas de cunho duvidoso, todas elas respeitando um mesmo padrão pobre de elementos para que se confunda o olhar do observador nas livrarias e ele se identifique com mais de uma série de livros. Por exemplo, na onda do sucesso da Saga Crepúsculo, diversos autores passaram a colocar desnecessariamente elementos sobrenaturais em seus fracos romances para adolescentes e repetiam à exaustão capas sombrias com cores frias, nome do livro em letras góticas e tinta metálica. Isso sem mencionar as novas séries de livros com futuros distópicos, ou mesmo as novelas intermináveis de Sidney Sheldon 30 anos atrás.


Exemplo de Saga ruim com capas que seguem a moda contemporânea. Blargh!
Fonte: http://mediaroom.scholastic.com/files/Shiverrepackage2014.jpg


Exemplo de saga legal cujas capas acompanham o nível da história!
Fonte; https://truthisbliss.files.wordpress.com/2014/05/dragonlance.jpg


Este ano a ilustração literária tem um papel fundamental aqui na Ânima, Quer saber o porquê? Fiquem de olho em nossas postagens no Blog, Facebook, Instagram, Twitter, e descubra. E você? Quais as capas/ ilustrações de obras literárias que mais te chamam a atenção? Abaixo coloquei algumas das capas das primeiras edições que gosto:

  

    



Professor Emerson Leandro Penerari

Nenhum comentário: