segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Entrevista: Fabrício CAmpos - Artista 3D no Japão



Oi, gente!!!! Faz um tempão que o blog está parado, né?
Pois então, estamos passando por reestruturações estéticas lol, por isso demos um tempinho aqui.
    Mas hoje estou trazendo uma entrevista super legal para vocês, com um ex-aluno aqui da Ânima!
   Sim sim, o nome dele é Fabrício e ele está sabe onde? NO JAPÃO! Fazendo sabe o que? Sim!!!!!!! Trabalhando com animação!!!! Sonho de quase todos nossos alunos!
   Então fizemos uma série de perguntas pra ele... E aqui estão as respostas!


Nome: Fabrício Campos
Residência atual: Kawasaki-shi, Japão
Profissão: Artista 3D


Anima - Fabrício, fala um pouco de você, pra quem não te conhece saber um pouco da sua vida.
F - Sou um Artista 3D, natural de São Sebastião do Paraíso - MG,e tenho 33 anos. Tenho trabalhado com artes desde os 21 anos, inicialmente como ilustrador e hoje trabalho com computação gráfica.

A - Onde está trabalhando atualmente?
F - Na OLM Digital. (mais conhecida como Oriental Light and Magic, é um estúdio de animação Japonesa fundado em Junho de 1994 em Setagayaku - Tóquio. O estúdio é especializado em animes, seu desenho animado mais famoso é Pokémon, mas também tem grandes nomes copmo Berserk e Inazuma Eleven.


A - Qual projeto está desenvolvendo aí no Japão?
F - É "Snack World", uma nova série de animação 3D, o trailer pode ser visto pelo link: https://www.youtube.com/watch?v=ber2lfvZelw e tem o site também: http://www.snack-world.jp/

A - Conta rapidinho sua trajetória de estudo até chegar onde chegou!
F - Meu primeiro trabalho na área, foi na Vitrais Ton Geuer, em Barão Geraldo (Campinas - SP), depois disso eu fiz muita coisa na área de publicidade e passei por alguns estúdios criativos em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre. De volta a minha cidade em Minas Gerais, passei os últimos dois anos trabalhando como freelancer, e antes de vir pro Japão, tive a oportunidade de trabalhar em parceria com um estúdio canadense, em uma série de animação pra Netflix, que será lançada em 2017.
Vou deixar o link pra quem quiser dar uma olhada no meu portfólio:
https://fabriciocampos.artstation.com/


A - Quais cursos você fez que te ajudaram na carreira?
F - Os cursos de desenho e ilustração que fiz na Anima, me ajudaram muito, toda a base artística que tenho, sobre composição, proporção, veio daí. Antes disso, eu também fiz aulas de quadrinhos com o Marcelo (na época ele era vizinho da minha tia). Além disso, os cursos de computação gráfica que fiz, e que me deram o conhecimento técnico.

A - No seu trabalho, o que é mais importante saber fazer: cenário ou personagens? Ou as duas coisas?
F - O trabalho aqui é dividido, são duas equipes, uma equipe trabalha com personagens e a outra, trabalha com acessórios e cenários.
Eu particularmente gosto de fazer as duas coisas, mas aqui eu faço parte da equipe de cenários.

A - Você fez alguma faculdade?
F - Eu comecei o curso de história na faculdade mas não concluí, mesmo gostando muito de história, eu amava desenhar, então eu parei com a faculdade e fui fazer cursos de desenho. Foi uma decisão difícil na época mas hoje vejo que foi a escolha certa. Ainda assim, acho que uma faculdade pode ajudar muito, há alguns anos atrás, não haviam muitas opções de curso superior nessa área, hoje existem mais opções pra quem quer trabalhar na produção de games e animação.
 

A - Como está sendo morar no Japão?
F - Tem sido uma grande experiência, eu cresci assistindo animações japonesas, então é muito inspirador o fato de estar aqui. Vale destacar também, que os japoneses são extremamente educados, isso ajuda muito a ter uma boa impressão do país.

A - Qual a comida mais gostosa que você comeu aí e quais as coisas mais legais que não têm aqui no Brasil?
F - Eu gosto muito de karē (curry) e okonomiyaki. Os pães também, são muito bons! É fácil ganhar alguns quilos nos primeiros meses.
Algo que acho bem legal aqui, é o fato de ser um país super desenvolvido tecnologicamente e que ao mesmo tempo tem uma historia riquíssima, tive a oportunidade de visitar alguns museus e templos, e minha admiração por esse país só aumenta
A - Como você conseguiu ir trabalhar no Japão?
F - Eu sempre tive esse objetivo de trabalhar fora, eu passei boa parte de 2015, fazendo art tests para estúdios fora do Brasil. Sempre ficava ligado em ofertas de trabalho pelo LinkedIn. Eu encontrei a vaga de trabalho aqui, pela internet.Depois de enviar meu portfólio, eles agendaram uma entrevista por skype e pouco tempo depois da entrevista, recebi uma proposta de trabalho. Todo o processo demorou aproximadamente 5 meses.


A - Quanto vc ganha? LOL esses alunos e essas perguntas embaraçosas!... enfim, não precisa falar se não quiser, só dá uma idéia pra eles. Como é o ritmo de trabalho, quantos dias você trabalha por semana, essas coisas...
F - Eu trabalho 5 dias por semana, de segunda a sexta. Pra quem já trabalhou com publicidade no Brasil, o ritmo de trabalho aqui é até tranquilo, principalmente pelo fato de ser tudo bem mais organizado. Sobre os salários, pelo pouco que sei, não existe muita diferença entre os salários aqui, por exemplo, uma pessoa que trabalha na linha de produção de uma fabrica e uma pessoa que trabalha em um escritório. O que varia mais é o custo de vida, dependendo da cidade, como eu estou na região de Tóquio, acredito que o custo de vida seja mais alto aqui. Ainda assim, no fim do mês sobra uma grana pra comprar uns jogos e action figures hehe.

A - Como funciona a produção de uma animação? Quais são as etapas e quais as partes em que você está envolvido diretamente?
F - A produção de uma animação é dividida em 3 etapas:
1º - Pré-produção - de onde vem a ideia, o conceito dos personagens, e o story board, por exemplo.
2º - Produção - Onde se criam os modelos 3D de personagens e cenários, rigging/setup, a animação, luz, renderização e os efeitos especiais (vfx). E nessa etapa que meu trabalho é feito.
3º - Pós produção - Nessa etapa, é feita a composição das imagens renderizadas, correção de cor e pronto, você tem um filme rs. Como eu não tenho nenhum contato com essa fase do trabalho, eu não tenho tanta informação, mas bem resumidamente, é isso.


Aeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee, muito obrigada, Fabrício!!!! Vamos ver agora se os alunos vão desistir ou se vão tentar entrar nesse mercado com mais afinco!
Sayonara, gente!!!! Até a próxima!

Gisela Pizzatto